Entrevisa com Henry Osvald, presidente da BraCham

Faça o Download

A política de Covid zero tem garantido um baixo número de contágios na China. Por outro lado, suas consequências econômicas já são visíveis nos mais diversos setores, com impactos no país e no exterior. Fatores como os seguidos lockdowns impostos pelas autoridades chinesas, a oscilação dos preços das commodities, o aumento do valor do frete internacional, além de questões estruturais, como o salto qualitativo da China nas cadeias glo­bais de valor e a crise no setor imobiliário, têm imposto novos desafios aos empresários brasileiros com negócios no gigante asiático. Esta edição da Carta Brasil-China coloca a política de Covid zero no centro do debate, com análises sobre os efeitos sociais e econômicos dessa medida.

CONTEÚDO DESTA EDIÇÃO
 
Uma China mais complexa traz desafios para o Brasil
Embaixador Luiz Augusto de Castro Neves, presidente do CEBC
 
“30% dos estrangeiros deixaram a China com a política de Covid zero”
Entrevista com Henry Osvald, presidente da BraCham
 
Com restrições estruturais, China deve crescer 3,5% em 2022
Fabiana D’Atri, economista da Bradesco Asset e diretora de Economia do CEBC
 
China perde participação nas exportações brasileiras
Lia Valls Pereira, pesquisadora associada do Ibre/FGV
Tulio Cariello, diretor de Conteúdo e Pesquisa do CEBC

Artigos relacionados